Engenharia Sanitária

É o ramo da engenharia voltado para o projeto, a construção, a ampliação e a operação de sistemas de água e esgoto. Esse profissional é fundamental para a preservação da natureza e de seus recursos. Ele cuida da manutenção da qualidade da água consumida pela população, do tratamento do esgoto e do lixo doméstico e industrial e do controle do lixo hospitalar. Planeja, coordena e administra redes de distribuição de água e estações de tratamento de esgoto e supervisiona a coleta e o descarte do lixo.

Também avalia o impacto de grandes obras sobre o meio ambiente, para prevenir a poluição de mananciais, rios e represas. É responsável pela prevenção contra a poluição causada por indústrias e pelo tratamento de efluentes industriais. Em agências de meio ambiente e em pólos industriais, controla, previne e trata a poluição atmosférica. Pode, ainda, monitorar o ambiente marinho e costeiro, atuando na prevenção e no controle de erosões de praias.

MERCADO DE TRABALHO
O mercado para o engenheiro sanitarista está aquecido por causa da aprovação, no ano passado, da Lei do Saneamento Básico, que determina investimentos no setor de R$ 10 bilhões nos próximos vinte anos com o objetivo de garantir a universalização dos serviços, ou seja, o acesso de todos os domicílios do país ao saneamento básico. Prefeituras, secretarias estaduais e federais, órgãos de planejamento e controle ambiental, empresas de distribuição de água e indústrias são tradicionais empregadores desse profissional.

As ofertas de postos de trabalho estão espalhadas pelo país, mas nas regiões Sul e Sudeste, principalmente em São Paulo, onde há maior concentração de fábricas, encontram-se as melhores oportunidades. Para entrar em companhias estatais, como a Sabesp, é preciso se preparar para encarar um concurso público. As regiões agrícolas também ampliam o mercado para o profissional, já que cada processo industrial eleva a gama de cuidados com o meio ambiente. Empresas privadas de consultoria ambiental – contratadas por indústrias e empresas que precisam atender às exigências municipais, estaduais e federais relacionadas ao tema – são outro nicho de mercado para o especialista em meio ambiente. A área de pesquisa também é promissora e tem recebido bom investimento das agências de fomento federais e estaduais.
$ Salário médio inicial: R$ 2.300

O CURSO
As disciplinas básicas dos primeiros anos incluem matemática, física, química, biologia e topografia. Ao longo do curso, há aulas também de administração, gestão e planejamento ambiental. O estudante aprende, ainda, hidráulica e gestão de recursos hídricos e conhece técnicas de tratamento de água e esgoto, além de tecnologias de controle ambiental e coleta, deposição e tratamento de lixo urbano e industrial. O estágio é obrigatório e, no último ano, é preciso desenvolver um projeto de conclusão para receber o diploma.

Duração média: cinco anos.

O QUE VOCÊ PODE FAZER
Meio ambiente
Controlar o impacto de atividades industriais, urbanas e rurais sobre a natureza para reduzir a poluição do ar, da água e do solo. Recuperar áreas degradadas.

Recursos hídricos
Racionalizar a exploração de rios e reservatórios, controlando a qualidade e a quantidade de água consumida.

Saneamento
Projetar, construir e operar sistemas de abastecimento de água e de coleta, transporte e tratamento de esgoto, lixo doméstico e resíduos industriais. Montar sistemas de drenagem para prevenir enchentes.

_EDITO_COMEFROMCursos Preparatórios Para Concursos : http://capecurso.com.br/site/modules/edito/content.php?id=46